quarta-feira, 6 de julho de 2011

DIVULGANDO




Uma história para tirar os pés do chão...
“Um navegador de sonhos” é como Rosane Villela define seu novo livro.“Sonhos doces, no verde-azul enlameado do rio Paraíba, o rio de minhas raízes, dos povoados ao seu redor, das lendas contadas pela família e empregados da fazenda. E sonhos banhados em sal pelas ondas da memória num outro rio, o Rio de Janeiro, onde sempre vivi”.

Rosane é autora selecionada pela Fundação Nacional do Livro Infantil e Juvenil (FNLIJ) para os catálogos das feiras de Bolonha (2009) e de Frankfurt (2010) com Apanhando a lua..., sua segunda obra. Agora, em Menina- menina, princesa de lama..., conta uma aventura no cochicho flutuante do mar. Um mar que sopra a menina em várias outras, num passe de mágica. E o menino que nunca se desgruda delas? Quem será ele? Só lendo e curtindo as inspiradas ilustrações da premiada Giselle Vargas (Brazilian Book Megazine) para saber...

A poética narrativa — com cenário no folclore brasileiro e nas lembranças da autora — conduz o leitor a viajar por um universo onírico: reinos encantados, onde bois-zebus passeiam com Curupira, Boitatá, Cuca e Lobisomem. E onde cometas, cavalos-marinhos e dragões levam a menina a mares distantes, castelos verdes de mata, e à Lua.

Sobre a autora:
Rosane Villela nasceu no Rio de Janeiro e é formada em Letras pela PUC-Rio e em Música pela Escola da Madalena Tagliaferro. É autora de Navalha no verso(7Letras/2000) e membro-fundadora da Letra Falante, grupo de discussão de literatura infantojuvenil. Seu livro Apanhando a lua...(Paulinas/2008) foi selecionado pela FNLIJ (Fundação Nacional do Livro Infantil e Juvenil) para catálogos nas feiras de Bolonha (2009) e de Frankfurt (2010). Tem ensaios, resenhas, contos e poemas publicados em diversas revistas, jornais e na internet.
Menina-menina, princesa de lama...
Editora Paulinas/2011Páginas: 24
Formato: 24 x 22cm
Preço: R$ 16,80
Links da autora: http://rosanevillela.blog.uol.com.br www.facebook.com – Rosane Villela

9 comentários:

ONG ALERTA disse...

Obrigada pela dica, beijo Lisette.

Cancer de Mama Mulher de Peito disse...

Amigo que é amigo mesmo, compartilha a felicidade e os interesses do outro.
Lindo gesto seu Monique.
... o que para nós que te seguimos não é novidade, é hábito mesmo.
Beijinhos,
Wilma
www.cancerdemamamulherdepeito@blogspot.com

Mimirabolante disse...

Valeu amigas!!!!bjcas

shan-Tinha disse...

é isso mesmo monique, obrigada pela dica, bjão e ótima semana!

Vivian disse...

...olá anjo bom!!

belissima indicação, assim
como todas as publicações
desta casa linda!

é para combinar com a dona,
né?

bjokas, querida!

Mimirabolante disse...

Amigas ,agradeço a gentileza de vcs e vou tentar retribuir !!!!!bjcas

Meus blogs - Fernanda Rocha disse...

Olá....adorei essa historia, lindaaa. bjus amiga querida.

Mimirabolante disse...

Obrigada Fernanda.....vc é uma grande leitora!!!!!!bjcas

Mimirabolante disse...

Comentando informações sobre meu livro

Menina-menina, princesa de lama...





Como saíram algumas publicações sobre meu livro, que dizem ser ele sobre o folclore (Globinho, Extra e uns poucos blogs), resolvi explicá-lo um pouco para que os leitores possam ter uma informação mais precisa sobre ele.

Em Menina-menina, princesa de lama..., o folclore é apenas pano de fundo em algumas passagens; não em todas. Trata-se mais de uma tentativa poética na elaboração de múltiplas personagens em uma, todas circulando entre si e se complementando, embaladas pela minha própria lembrança pessoal, e num trabalho de memória que tem como prioridade a permanência múltipla do ser e a brincadeira da transformação. Afinal, somos um ou vários?

"Menina-de-rio, da paz que a menina-de-mar não esqueceu./ Menina do Paraíba, do rio tão dela quanto do rio seu."

Nessa passagem, como em outras, presente e passado se misturam, redondamente, e imitam o movimento rítmico da vida pessoal e dos versos. Nada é estático, tudo se transforma e retorna. Como o tempo e, por exemplo, o próprio “rio”, palavra da qual me aproprio para me reportar aos dois rios de minha vida, o Paraíba (na menina-de-rio) e o Rio de Janeiro (na menina-de-mar, já que moro nessa cidade).

"Com quem brinca essa menina de se virar e desvirar? Em princesa de lama;estrela-cometa; e meninas de laço de fita e de rio? Será que, quem brinca com ela, sabe em que rios ela guarda a lua no peito? E você? Quer descobrir se tudo é fita? Ou se tudo é fato de fato?"

Na contracapa do livro, para atender a editora Paulinas, eu mesma escrevi o texto acima, com a intenção de despertar o interesse pela leitura e de dar uma dica sobre meu trabalho. Nada tenho contra o folclore; muito ao contrário, o admiro demais e penso que minha imaginação e criatividade não seriam as mesmas se meu imaginário não tivesse sido também alimentado por ele. Por isso, agradeço a divulgação lincada à temática do folclore (toda divulgação é sempre muito bem-vinda), mas, quanto aos leitores, eu me sentiria desconfortável se não os esclarecesse. Como disse anteriormente, o folclore apenas funciona, em determinadas passagens, como um dos recursos que usei junto a tantos outros, como a da criação da personagem do tempo-eterno-menino que sempre acompanha as várias meninas em meu...

(...) Olhar iluminado...

Pelos morros das tangerinas, das laranjas, dos bambus,

e pelo casarão inundado de feijão gostoso do fogão à lenha...

Lenha do pasto, onde as vacas,

entorpecidas,

ruminavam segredos.

Segredos do tempo

que nunca acaba.

É tão menino...

Ainda me canta e

me derrama seus sonhos.

Nos meus...

De menina.

Menina-princesa.

Princesa de lama...



Escrever para crianças é sempre acender o meu olhar, já tão sensível e atento. É ela a quem meu coração se aconchega, em sua sabedoria pequena tão imensa de verdades e inocência. Minha esperança é que o coração-criança-adulto possa ter tão bons momentos como eu tive no Menina-menina,princesa de lama..., presente especial da criança que carrego em mim. Embrulhado em poesia...

Comentário feito pela autora do livro e enviado por email......